Show Menu
Cheatography

Dados Abertos para Gestores Cheat Sheet by

Dicas para Gestores sobre Dados Abertos

Principais Conceitos

Lei de Acesso a Informação
A Lei nº 12.527­/2011, conhecida como Lei de Acesso à Informação - LAI, regula­menta o direito, previsto na Consti­tuição, de qualquer pessoa solicitar e receber dos órgãos e entidades públicos, de todos os entes e Poderes, inform­ações públicas por eles produzidas ou custod­iadas.
API
API, de Applic­ation Progra­mming Interface (em português: Interface de Progra­mação de Aplica­tivos) é um conjunto de rotinas e padrões estabe­lecidos por um software para a utilização das suas funcio­nal­idades por aplica­tivos que não pretendem envolv­er-se em detalhes da implem­entação do software, mas apenas usar seus serviços.
Arquivo Legível por Máquina
Arquivo Legível por Máquina refere-se a inform­ações ou dados que estejam em um formato que pode ser facilmente processado por um comput­ador, sem interv­enção humana, assegu­rando nenhum signif­icado semântico está perdido
EGD
Estratégia de Governança Digital. Ver governança digital.
Governança Digital
Política instituída pelo Decreto 8.638, de 15 de janeiro de 2016 e que estabelece a Estratégia de Governança Digital (EGD). Baseia-se no conceito de Governo Digital da OCDE e refere-se ao uso de tecnol­ogias digitais, como parte integrada das estrat­égias de modern­ização govern­ame­ntais, para gerar benefícios para a sociedade. A EGD tem três eixos estrut­ura­ntes: acesso à inform­ação, prestação de serviços públicos e partic­ipação social. A política de dados abertos é parte importante do eixo “acesso à inform­ação”.
INDA
A Infrae­str­utura Nacional de Dados Abertos (INDA) é uma política para garantir e facilitar o acesso pelos cidadãos, pela sociedade e, em especial, pelas diversas instâncias do setor público aos dados e inform­ações produzidas ou custod­iadas pelo Poder Executivo Federal. Ela consiste em um conjunto de padrões, tecnol­ogias, proced­imentos e mecanismos de controle necess­ários para atender às condições de dissem­inação e compar­til­hamento de dados e inform­ações públicas no modelo de Dados Abertos. Sua gestão cabe a um comitê gestor, presidido pela Secretaria de Tecnologia da Informação do Ministério do Planej­amento e composto por repres­ent­antes da sociedade civil, do setor acadêmico e de nove entes federais.
Software Livre
Software Livre é uma forma de manife­stação de um software em que, resumi­dam­ente, permite-se adaptações ou modifi­cações em seu código de forma espont­ânea, ou seja, sem que haja a necess­idade de solicitar permissão ao seu propri­etário para modifi­cá-lo.
Serviço de Inform­ações ao Cidadão
Conforme o decreto nº 7.724, que regula­menta a Lei de Acesso à Informação no âmbito do poder executivo federal, o Serviço de Inform­ações ao Cidadão tem o objetivo de: atender e orientar o público quanto ao acesso à inform­ação; informar sobre a tramitação de documentos nas unidades; e receber e registrar pedidos de acesso à inform­ação.
* Glossário completo pode ser acessado em Glossário de Dados Abertos
 

Principais Formatos*

CSV
Pode significar Comma-­Sep­arated Values (valores separados por vírgula), ou ainda, Charac­ter­-Se­parated Values (valores separados por caract­ere). É um formato para armaze­namento de dados tabulares em texto. A codifi­cação é muito simples: cada linha do arquivo representa uma linha na tabela, e as colunas são separadas por vírgula. Campos que podem conter vírgula devem ser delimi­tados por aspas. CSV é recome­ndado para repres­entação de estrutura de dados mais simples, de natureza tabular, onde não existem subpro­pri­edades ou listas, gerando um arquivo menor e mais leve para proces­sam­ento. Arquivos CSV são proces­sáveis direta­mente por editores de planilhas, como o OpenOffice e o MS Excel.
GeoJSON
É um formato aberto baseado em JSON para repres­entar inform­ações geográ­ficas. Possib­ilita repres­entar formas como pontos, linhas e polígonos com coorde­nadas geográ­ficas, juntamente com seus atributos não-es­pac­iais. O GeoJSON não é mantido por um órgão formal de padron­ização, como alguns outros formatos para inform­ações geográ­ficas. Em vez disso, ele é especi­ficado por um grupo de trabalho de desenv­olv­edores.
JSON
É um acrônimo para JavaScript Object Notation. É um padrão aberto de estrut­uração de dados baseado em texto e legível por humano. A especi­ficação é a RFC 7159. JSON ganhou maior utilização com a utilização de carga dinâmica de conteúdo em páginas web com Javascript (técnica denominada “Ajax”). A serial­ização em JSON é muito simples e resulta em uma estrutura pouco verbosa o que se mostra uma ótima altern­ativa para o XML. JSON possib­ilita serial­ização de estrutura de objetos complexos, como listas e subpro­pri­edades. JSON está se tornando o padrão mais utilizado para integração de dados entre reposi­tórios e framew­orks, também está se tornando o padrão nativo de armaze­namento em alguns bancos de dados modernos.
JSON-LD
É um formato baseado em JSON para Linked Data, também padron­izado em 2014. Traz todas as vantagens do formato JSON. A estrutura de mapeamento para IRIs pode opcion­almente ser separada em um documento JSON de contexto, o que deixa o JSON principal, onde estão os dados, essenc­ial­mente com a mesma estrutura que um documento JSON comum.
KML
Acrônimo para Keyhole Markup Language. É um formato baseado em XML, desenv­olvido origin­almente pelo Google e depois padron­izado pelo Open Geospatial Consor­tium. Pode repres­entar inform­ações geográ­ficas, tais como marcadores de local, imagens, polígonos, modelos tridim­ens­ionais ou descrições textuais, usando coorde­nadas de latitude, longitude e elevação conforme o sistema WGS84. Em alguns casos os arquivos KML são distri­buídos compac­tados no formato zip, e o arquivo compactado recebe a extensão .kmz.
ODS
Significa Open Document Spread­sheet. É um formato não propri­etário de arquivo basedo em XML, padron­izado pela ABNT sob a norma NBR ISO/IEC 26300:­2006. É comumente chamado de planilha, similar ao XLS do MS Office Excel, porém aberto, por isso deve ser utilizado em substi­tuição ao XLS. Planilhas são largamente utiliz­adas, são de fácil utilização e manipu­láveis por diversos aplica­tivos. Apesar de ser um formato estrut­urado, é muito flexível, possib­ili­tando manipu­lação e mistura de diversos tipos de dados, como imagens e textos format­ados. Para a publicação de dados abertos tabulares, é recome­ndável a utilização de CSV, pela sua simpli­cidade e padron­ização.
RDF
A família de formatos RDF baseia-se em um metamodelo de grafos para indicar os relaci­ona­mentos entre os nós, onde cada nó pode ser qualquer coisa sobre a qual queira se afirmar algo. Esse metamodelo possib­ilita estabe­lecer relações semânticas entre os dados, ao descre­vê-los conforme um modelo (vocab­ulário ou ontologia) preest­abe­lecido para aquele domínio da inform­ação. Dados conforme esse metamodelo de grafos podem ser armaze­nados em bancos de dados especi­ali­zados, chamados triple stores, ou bancos de triplas, numa referência à forma de descrever o grafo listando cada tripla nó-are­sta-nó, repres­entando sujeito, predicado e objeto. Ao gravar dados RDF em um arquivo, no entanto, é necessário escolher uma entre as múltiplas sintaxes possíveis para repres­entar o grafo como uma sequência de caract­eres: XML, N-Triples, Turtle, JSON-LD, RDFa, etc.
RDF/XML
A sintaxe original, quando o padrão RDF foi inicia­lmente estabe­lecido, foi a baseada em XML. Por ser a primeira sintaxe para RDF, o seu suporte em ferram­entas é excelente. Por outro lado, pela verbos­idade do XML e pela sua estrutura hierár­quica, os arquivos gerados são geralmente complexos e de difícil leitura.
Shapefile
Formato aberto para dados geoesp­aciais, desenv­olvido pela empresa Esri, que produz soluções de software para sistemas de inform­ações geográ­ficas (GIS). Apesar de ser mantido por uma empresa, a sua especi­ficação é aberta e é implem­entada por pratic­amente todas as ferram­entas de GIS.
Turtle
Turtle significa “Terse RDF Triple Language”, ou linguagem sucinta de triplas RDF. Foi criada como uma sintaxe simpli­ficada para leitura tanto por humanos quanto por máquinas e padron­izada em 2014. A indentação e o uso de prefixos são elementos que facilitam a leitura, assim como o agrupa­mento de triplas que possuem o mesmo sujeito ou que possuem o mesmo sujeito e mesmo predicado.
XML
XML significa Extensible Markup Language, e é uma sintaxe para codificar documentos em um formato legível por máquina. É baseado em texto e tem como alguns de seus objetivos a facilidade de uso e legibi­lidade
 

Portais de Dados Abertos

Help Us Go Positive!

We offset our carbon usage with Ecologi. Click the link below to help us!

We offset our carbon footprint via Ecologi
 

Comments

No comments yet. Add yours below!

Add a Comment

Your Comment

Please enter your name.

    Please enter your email address

      Please enter your Comment.